Pontos CRC, cursos, conteúdo, normas e compliance com o M2M PRIME Assine o M2M PRIME
Nenhum resultado encontrado.

Contabilização de cartão de crédito

Contabilização de cartão de crédito

Quem ainda não tem cartão de crédito, seja em plástico ou pelo aplicativo? Sabia que quando você utiliza o limite disponível, a transação se configura como operação de crédito da modalidade empréstimo?

O cartão de crédito é emitido tanto por instituição financeira, quanto por instituição de pagamento, e é possível utilizá-lo como instrumento de pagamento e de crédito pós-pago. O Banco Central do Brasil é a entidade do Sistema Financeiro Nacional responsável por regulamentar os serviços de pagamento vinculados a cartões de crédito, inclusive as tarifas. Por essa razão, o tratamento contábil segue as especificações do COSIF (leia nosso artigo sobre esse tema).

De acordo com o perfil de risco do cliente, as instituições responsáveis pela emissão do cartão, concedem um crédito ao cliente, que enquanto não é utilizado, fica registrado em contas de compensação (contas de controle). Por exemplo, se o seu limite disponível para uso é de R$ 5.000,00, enquanto não é utilizado, está contabilizado conforme a seguir:

Débito:
3.0.9.86.00-8 – VALORES DE CRÉDITOS CONTRATADOS A LIBERAR

Crédito:
9.0.9.86.00-0 – CRÉDITOS CONTRATADOS A LIBERAR

A partir do momento em que o cliente utiliza o limite disponível, a instituição registra um valor a receber, no mesmo grupo de operações de crédito, classificada como empréstimo. A contrapartida segrega o valor a pagar aos envolvidos, tais como a bandeira, o adquirente e o estabelecimento, líquido da receita na transação. Nesse sentido, vamos supor que o cliente utilizou R$ 1.000,000 em um restaurante e que a instituição terá uma receita de R$ 50,00, de modo que o valor a ser repassado será de R$ 950,00, veja abaixo os registros da operação:

Liberação da utilização do cartão em R$ 1.000,00
Débito:
9.0.9.86.00-0 – CRÉDITOS CONTRATADOS A LIBERAR
Crédito:
3.0.9.86.00-8 – VALORES DE CRÉDITOS CONTRATADOS A LIBERAR

Registro do valor a receber do cliente, repasse e receita
Débito:
1.6.1.20.00-8 – EMPRESTIMOS
Crédito:
4.4.1.60.00-9 – TRANSAÇÕES DE PAGAMENTO (valor do repasse)
7.1.1.05.00-6 – RENDAS DE EMPRESTIMOS (receita)

O COSIF de empréstimos espelhará a natureza da operação, ou seja, se a transação envolver saque, compra parcelada, pagamento de contas ou mesmo o rotativo, a entidade registrará o montante em uma conta correspondente do grupo 1.6.1.20.00-8 – EMPRESTIMOS.

Seguindo o fluxo de prazos acordados, a instituição efetua a liquidação do montante a ser repassado e baixa o valor a receber quando o cliente efetua o pagamento da fatura. A contabilização é efetuada a seguir:

Liquidação do repasse
Débito:
4.4.1.60.00-9 – TRANSAÇÕES DE PAGAMENTO
Crédito:
1.1.0.00.00-6 – DISPONIBILIDADES

Recebimento do pagamento da fatura
Débito:
1.1.0.00.00-6 – DISPONIBILIDADES
Crédito:
1.6.1.20.00-8 – EMPRESTIMOS

Por se tratar de uma operação de crédito, as transações relativas ao cartão de crédito também contam com uma provisão referente a perda estimada de crédito de liquidação duvidosa – também chamada de PDD (Provisão para Devedores Duvidosos) de acordo com a avaliação de risco do cliente. Veja como é efetuado o registro contábil:

Débito:
8.1.8.30.30-9 – DESPESAS DE PROVISÕES OPERACIONAIS
Crédito:
1.6.9.00.00-8 – PROVISÕES PARA OPERAÇÕES DE CRÉDITO

Geralmente, para ter acesso a cartão de crédito, o cliente efetua pagamentos relativos a anuidade, cujo montante se configura como receita para a instituição emissora do cartão. As contas de receita são segregadas de acordo com a modalidade do cartão: 7.1.7.95.20-3 – CARTÃO DE CRÉDITO BÁSICO – ANUIDADE ou 7.1.7.96.05-1 – CARTÃO DE CRÉDITO DIFERENCIADO – ANUIDADE DIFERENCIADA.

O cartão de crédito pode ser um ótimo instrumento de crédito, entretanto, se houver atraso, por exemplo, a instituição cobrará multa, juros remuneratórios, além de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). Utilize o crédito sempre de forma consciente!

Quer saber mais? Acesse nosso blog ou entre em contato.

Fonte: www.bacen.gov.br
Manual COSIF
Carta Circular n° 3.828 de 19/06/2017
Carta Circular n° 3.896 de 07/08/2018

Acesso ilimitado ao site
M2M PRIME
Cursos + Conteúdo + Manuais + Normas + Alertas + Pontos CRC
M2M PRIME
Relacionado
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Mensuração subsequente - Renegociação
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Mensuração subsequente - Renegociação
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Hedge Accounting - Categorias de hedge
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Hedge Accounting - Categorias de hedge
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Hedge Accounting - Exercícios de categorias de Hedge
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Hedge Accounting - Exercícios de categorias de Hedge
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Categorias de ativos financeiros - Categorias de ativos financeiros
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Categorias de ativos financeiros - Categorias de ativos financeiros
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Perdas de crédito - Impairment - FCC e receitas no estágio 3
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Perdas de crédito - Impairment - FCC e receitas no estágio 3
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Categorias de ativos financeiros - Exercícios sobre classificações
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Categorias de ativos financeiros - Exercícios sobre classificações
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Perdas de crédito - Impairment - Modelos
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Perdas de crédito - Impairment - Modelos
Definições da Contabilidade de derivativos - (IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros)
Definições da Contabilidade de derivativos - (IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros)
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Hedge Accounting - Item protegido e instrumento de hedge
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Hedge Accounting - Item protegido e instrumento de hedge
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Categorias de ativos financeiros - Teste SPPJ
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Categorias de ativos financeiros - Teste SPPJ
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Mensuração subsequente - Custo amortizado e valor justo
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Mensuração subsequente - Custo amortizado e valor justo
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Baixa de ativos financeiros - Exercício sobre baixa
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Baixa de ativos financeiros - Exercício sobre baixa
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Mensuração inicial - Ganhos e perdas no primeiro dia
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Mensuração inicial - Ganhos e perdas no primeiro dia
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Categorias de ativos financeiros - Reclassificações
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Categorias de ativos financeiros - Reclassificações
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Baixa de ativos financeiros - Sobre passivos financeiros
IFRS 9 / CPC 48 - Instrumentos Financeiros - Avançado - Baixa de ativos financeiros - Sobre passivos financeiros