Pontos CRC, cursos, conteúdo, normas e compliance com o M2M PRIME Assine o M2M PRIME
Nenhum resultado encontrado.

Introdução a Derivativos - Swaps Cambiais - Cálculo do ajuste do swap no vencimento

Publicação
20/10/2020
Conteúdo restrito para assinantes PRIME.
Todo o conteúdo do site em uma assinatura única.
Transcrição

Em primeiro lugar nós temos, então, a situação original do swap. E como isso fica para a companhia que está contratando esse swap com a sua instituição financeira. Ela, originalmente, tinha um passivo dolarizado, que decidiu trocar por um passivo em reais.

Agora nós vamos calcular só o ajuste do swap. Bem, aqui então nós temos um swap cujo notional é de um USD 1 milhão. Por que é USD 1 milhão? Porque é o valor da dívida, lembra? A gente precisa fazer casadinho.

Nesse caso eu estou assumindo que a taxa de câmbio inicial é de R$ 5,35 por dólares. E aqui é importante, também, a gente fazer casado do ponto de vista do início da variação cambial.

Portanto, o swap deve começar da mesma taxa de câmbio que nós usamos para iniciar aquele desembolso. Então, a mesma taxa de câmbio pelo qual foi desembolsada a dívida, pelo qual a empresa recebeu esses dólares da matriz e creditou os reais na sua conta.

Vamos lembrar que isso é o fechamento de câmbio pronto e, nesse caso, estou assumindo, então, que a taxa do fechamento de câmbio pronto foi de R$ 5,35 por dólares. E esse mesmo nível de câmbio foi usado para dar início à variação cambial do swap e, também, será usada para o valor presente do swap.

Sim, porque aqui, para fazer os cálculos do ajustes swap, nós temos que partir de um valor presente. E nesse caso, veja como fazemos.

Nós vamos multiplicar o notional em dólar, de USD 1 milhão, pela taxa de câmbio inicial. E assim, o valor inicial desses swap, o valor pelo qual ele é registrado no mercado de balcão, é de R$ 5.350,00, dado esse câmbio de R$ 5,35 por dólar.

Aqui eu considero, então, o custo em dólar de 5% ao ano, o prazo de um ano. E esse um ano é de 360 dias corridos, ou 252 dias úteis. Muito bem. Aqui eu coloquei dois cenários. Um cenário em que o câmbio vai a R$ 6 por dólar, e quem 100% do CDI Acumulado é 2% a.a.

E coloquei um segundo cenário em que o câmbio fica em R$ 5,00 por dólar, menor do que aquele ponto de partida de R$5,35,

e o CDI acumulado fica em 3% ao ano. Bem, nesses cenários, nós vamos calcular os ajustes. Temos que calcular o Valor Futuro da Ponta Ativa, o Valor Futuro da Ponta Passiva.

E aí nós podemos fazer o cálculo do ajuste pela diferença fazendo Valor Futuro da Ponta Ativa, menos Ponta Passiva. Essa diferença é o ajuste, é o valor teremos a pagar ou a receber no vencimento desse swap.

Os cálculos estão feitos do ponto de vista da companhia que contratou esse swap. Se você quiser pensar do ponto de vista do banco, é exatamente o contrário, é só mudar os sinais. O cálculo se mantém igual, combinado?

Certo. Então aqui, falando agora sobre esse primeiro cenário e a sua Ponta Ativa. Bem, a Ponta Ativa é a Ponta Dólar. Então vejam como é que eu fiz este cálculo? Eu parto do notional da operação. Qual é o notional da operação? É aquele valor de USD 1 milhão que eu multipliquei pela taxa de câmbio de início, e me deu um valor presente em reais.

Então, esse é o notional. No caso do swap o nosso notional é baseado em um valor presente em reais. Sobre esse notional eu aplico a variação cambial. E como é que ficou a variação cambial? Vejam que ela é a diferença desse câmbio, que é o Cenário 1, e este que é o nível que eu fechei o início do meu swap, e que eu também fechei o câmbio pronto pra desembolsar recurso da matriz.

Então, a variação cambial aqui é positiva... Inclusive eu deixei ela calculada aqui do lado pra você dar uma olhada, pra gente também pensar em termos variação cambial o que está acontecendo em cada cenário. Então a variação cambial fica positiva em 12% a.a.

E, além dessa variação cambial, lembra que tinha 5% de custo. Então não pode esquecer de colocar esses 5% aqui. E atenção, né gente? Que quando você está trabalhando com multiplicação de taxas de juros, não pode esquecer daquele bom e velho 1+. Aquela muletinha para você trabalhar quando você tem taxas de juros.

Então nesse caso, eu vou somar 1 ao 5%, e esse 5% precisam ser ajustados ao período da operação. Aqui, como a operação é de um ano, você fica com 360 sobre 360, ou seja, acaba não fazendo diferença. Mas eu deixei isso montado pra você, já com o prazo, porque aí você pode usar essa planílha para outros swaps que você queira calcular o ajuste, tudo bem?

Então, só lembra que você precisa ajustar o prazo e eu já deixei a fórmula para você, em que você já faz o cálculo do cupom, dessa taxa de juros em dólar, ajustada ao prazo da operação.

Bem, fazendo esse cálculo nós chegamos a um valor futuro de R$ 6.300.000,00. Ou seja, essa Ponta Dólar, está custando mais reais, né, gente? Por quê? Porque o câmbio subiu, passou de R$ 5,35 para R$ 6,00. Aumentou o desembolso em reais.

Então, esse é o valor que a companhia teria que pagar se ela não tivesse feito swap, se ela tivesse ficado exposta ao risco de variação cambial. Certo, mas como ela fez o swap, olha o que acontece.

Vamos, então, calcular o 110% do CDI Acumulado, que é a Ponta Passiva do nosso swap. Como é que a gente faz esse cálculo? Primeiro lugar, pessoal. Como nós trabalhamos, aqui no Brasil, com juro composto, esse ajuste no percentual do CDI sempre tem que ser feito sobre a base de um dia útil.

Então, não é você pegar o CDI Acumulado e multiplicar por 110% direito, não. Eu deixei aqui pra você o passo a passo de cálculo. E ele está aqui dentro. Eu deixei nesta fórmula o ajuste ao percentual do CDI que está digitado aqui em cima, neste caso o 110%.

Percebam que nada mais é do que uma fórmula em que você pega a taxa anualizada, leva para um dia útil, ajusta o percentual do CDI e anualiza de novo. É isso. Eu fiz separado só para as fórmulas ficarem mais fáceis de você entender e não ficar aquela fórmula muito comprida.

Então eu separei... A taxa eu ajustei ao percetual do CDI e, dessa forma, aqui eu fico com uma fórmula mais curtinha. E, perceba então, que eu parto do valor presente, do notional, valor presente em reais. Multiplico isso por 1+ a taxa já ajustada, 110% do CDI, e elevo ao número de dias úteis, sobre 252.

Então, sempre temos que ajustar as taxas de juros ao período da operação. E se houver um percentual do CDI, também temos que ajustá-lo na base de um dia útil. Ao fazer esse cálculo nós chegamos a um valor futuro de R$ 5.467.816,53. Ou seja, gente, nesse Cenário 1, a variação cambial mais 5% foi bem maior do que 110% do CDI. E, nesse caso, fazendo a diferença dos dois, o ajuste é um valor, o que vocês acham, positivo ou negativo?

Ponta Ativa menos Ponta Passiva. Por que essa história dá um ajuste positivo? Além do cálculo, você pode pensar na intuição por trás dessa história. Lembra que a companhia se protegeu da alta de câmbio? Porque ela devia câmbio. E, nesse caso, como o câmbio subiu, e subiu bem mais do que o CDI, ela vai ter que gastar mais dinheiro pagando este empréstimo para a matriz.

Portanto, ela vai buscar lá no seu caixa esse valor aqui, que é o quanto ela guardou tendo em vista o CDI Acumulado, mais esse ajuste postito que ela recebe e a soma disso leva a gente para o R$ 6.300.00,00. E aí dá certo, ela fica com dinheiro em caixa para conseguir pagar a conta com o câmbio a R$ 6,00, mais o juros de 5%.

Vamos só lembrar que o swap tem o famoso Imposto de Renda na fonte. Então, líquido, infelizmente tem uma mordidinha aí nesse valor. E eu até coloquei isso aqui na nossa planilha. Então, do ponto de vista líquido, a companhia vai receber o ajuste menos o Imposto de Renda.

Para este prazo da nossa operação, que não chegou a um ano, é de 22,5%. Segue a alíquota regressiva de imposto e, claro, vai reduzindo na medida em que evolui o prazo: começa nesse 22,5% e chega a 15% quando a operação passa de 2 anos.

Muito bem. No Cenário 2, o que aconte? No Cenário 2 eu estou supondo que o câmbio ficou a R$ 5,00, no final deste swap, e o CDI acumulou 3% a.a. Vale comentar que CDI vai acumulando. Ou seja, a gente vai pegando aquela taxa de CDI diária, traz para a base de um dia útil e vai fazendo "1+1+..." e vai somando, dentro das regras de taxa de juros, esses CDIs diários.

Já o câmbio, não importa tudo que acontece, todo sobre e desce, toda a variação cambial ao longo deste swap. Só importará a taxa de câmbio no dia de vencimento. Então, o cálculo de variação cambial, somado ao cupom, vai depender apenas do câmbio no vencimento, normalmente a Ptax de D-1 do dia útil anterior, e a taxa Spot pela qual começou a variação cambial.

E é por isso que é importante sempre... Claro, você, neste caso que está fazendo um swap para hedge dívida, começar o swap no mesmo câmbio em que você desembolsou o dinheiro e começou a incidir a variação cambial sobre esse individamento, para que as duas coisas casem e você tenha o efeito desejado do hedge.

Bem, nesse Cenário 2 os cálculos são idênticos ao do Cenário 1, só que aqui nós temos uma variação cambial negativa de -6,54% a.a. Que, somada a 5%, leva a companhia a ter um Valor Futuro desta Ponta Ativa, ainda menor do que era aquele valor presente de R$ 5.350.000,00. Ou seja, gente, essa é aquela situação que a companhia fala: "Poxa, que bacana. Em reais eu estou pagando menos do que eu desembolsei".

Sim, mas aqui como a companhia fez o swap e se comprometeu a pagar o valor em reais equivalente a 110% do CDI, o que acontece no swap? O Valor Futuro, desta Ponta CDI, fica maior do que este da Ponta Dólar. E aqui, então, a companhia terá um ajuste a pagar. E, de novo, se você soma esse ajuste que ela paga com esse número que ó Valor Futuro da Ponta CDI, você vai para esse custo dolarizado aqui.

Então, aqui você também tem um encontro de contas fazendo com que a companhia desembolse o valor equivalente a 110% do CDI. E é essa a ideia de se fazer um hedge, gente. Não é perder ou ganhar, mas sim trazer mais previsibilidade e você garantir as margens esperadas do seu negócio.

E quando a gente está falando a hedge de dívida, é não tomar susto, é não ter que gastar mais do que a gente tem disponível no caixa. Então, lembre que usando um swap, usando uma opção, um NDF, você sempre estará pensando esses derivativos, se forem usados para fins de hedge, do ponto de vista da sua capacidade de estabilizar as margens e de garantir um caixa e um resultado, dentro do esperado para o seu negócio. Às vezes a gente pensa o hedge com foco em caixa, às vezes com foco em resultado.

E nós vamos ver alguns exemplos que vão deixar essas situações ainda mais evidentes para você. Então, venha conosco. Temos ainda mais alguns aspectos muito interessantes para explorar.


Texto gerado automaticamente.

Acesso ilimitado ao site
M2M PRIME
Cursos + Conteúdo + Manuais + Normas + Alertas + Pontos CRC
M2M PRIME
Relacionado