Nenhum resultado encontrado.

Prazos Médios (Análise de Demonstrações Financeiras)

Tenha acesso ilimitado

Acesso a cursos, guias, artigos e vídeos. Sem pontuação CRC.

R$50

/mês

Começar Também preciso de pontos CRC
01/01/2016
Eric Barreto
Partner e Prof. do Insper

Neste capítulo, nós vamos falar sobre prazos médios. Prazo médio de estocagem, prazo médio de recebimento, prazo médio de pagamento. Para falar sobre prazos médios, eu vou recorrer a uma ilustração. Imaginem o seguinte. Eu quero saber se, durante uma crise hídrica, se a caixa d'água que eu tenho em casa é suficiente para o consumo que eu tenho. Então, que informações que a gente vai precisar para fazer essa conta, se a caixa d'água consegue suprir as minhas necessidades? Basicamente, eu devo precisar da capacidade da caixa d'água. Na verdade, a capacidade é um indicador do fabricante da caixa d'água, mas a gente sabe que, na prática, essa indicação é um valor médio. Quando eu digo: "Minha caixa d'água suporta 1000 L de água", significa que às vezes eu tenho um pouquinho mais de 1000 L, às vezes eu tenho um pouquinho menos, tenho por volta de 1000 L. Tenho um saldo médio, para a gente usar um termo mais financeiro, eu tenho um saldo médio de 1000 L. Bom, essa informação não é suficiente para eu calcular quanto tempo dura a minha caixa d'água. Eu preciso do quê? Eu preciso saber qual é o consumo. Essa informação costuma ter na conta d'água.

Então, vamos supor que a minha conta d'água já desse a informação de consumo em litros. Então, peguei a conta d'água, está escrito lá que o meu consumo mensal é de 15.000 L. Bom, eu consumo 15000 L no mês, eu tenho uma caixa d'água de 1000 L. Pensa um pouquinho. Quantos dias dura a minha caixa d'água? Ou, de outra forma, qual é o prazo médio da minha caixa d'água? Médio, por quê? Porque nem todo mês eu tenho esse consumo de 15.000, é mais ou menos esse consumo. Porque nem sempre a minha caixa d'água tem 1000 L, às vezes tem um pouco mais, às vezes tem um pouco menos. Então é o meu prazo médio de caixa d'água. Pensou, rabiscou? Se você concluiu que o prazo desta caixa d'água é de dois dias, você acertou. Como é que você chegou nesse número? Você deve ter pensado o seguinte. Bom eu tenho uma caixa d'água, tenho um saldo, uma capacidade estática ali de 1000 L. Então, se eu pegar a caixa d'água agora, ela está cheia, eu não estou consumindo, ela tem 1000 L. Então, é um número estático. E eu vou pegar também o quanto eu consumo durante um período, que é de 15000 L durante um mês.

Então eu quero saber o seguinte: quantos dias dura a caixa d'água? Então eu preciso saber, primeiro, quanto eu consumo por dia. Como eu sei o consumo no mês, basta dividir 15000 por 30 para concluir que o consumo diário é de 500 litros. Dividiu 15000 por 30, então, o consumo diário é de 500 litros d'água. Se eu tenho uma caixa d'água com saldo médio de 1000 L, e consumo 500 L por dia, essa caixa vai durar dois dias se eu deixar de abastecê-la, e for utilizando o seu conteúdo. Fácil fazer essa conta? Ou fácil raciocinar sobre ela? Bom, se você achou fácil, todos os cálculos de prazos médios, prazo médio de estocagem, prazo médio de pagamento ou de recebimento, todos eles podem ser raciocinados sobre a mesma metáfora. Só que o que eu chamei de "caixa d'água", e eu falei que a caixa d'água tem um saldo, um valor estático. Então, em vez de caixa d'água, a gente vai usar alguma conta do balanço. Por exemplo, se eu for calcular prazo de recebimento, em vez de olhar para a caixa d'água, eu vou para o contas a receber. Contas a receber tem um saldo médio. Se eu olhar em uma data específica, ele é um saldo estático, e o que encho o contas a receber? A minha caixa d'água está cheia de água, e o meu contas a receber está cheio do quê? De receitas.

Então, quando a gente vende, as receitas enchem o contas a receber. Mesmo as receitas de vendas à vista, a gente tem que considerar, para cálculo de prazo médio também, por quê? É como aquela água, que ela entra na sua caixa d'água, e ela já vai vazar pelo ladrão, ou ela já vai ser consumida imediatamente. Ou seja, ela não vai ser estocada. Assim como a receita da venda à vista, ela não vai ser armazenada no contas a receber, ela já vira caixa direto. Mas, a gente usa esse número para calcular o prazo médio de recebimento. Supondo que eu tivesse dois clientes. Um, que me paga em 30 dias; outro, que me paga em zero dias. Se os dois compram valores equivalentes, eu devo ter um prazo médio de recebimento de 15 dias. A média daquele que me paga à vista para aquele que me paga em 30 dias. Bom, normalmente a gente trabalha com demonstrações de resultados anuais ou trimestrais. Então, o que a gente precisa? Transformar, no caso do prazo médio de recebimento, a gente precisa transformar a receita anual em receita diária, ou a receita trimestral em receita diária para calcular o prazo médio de recebimento.

Então, prazo médio de recebimento, como ele está formulado? Parece muito difícil, mas não é. Essa expressão está fazendo basicamente o que a gente fez com a caixa d'água. No numerador, ele está somandando contas a receber do ano A1, com contas a receber do ano anterior, o ano A0, e dividindo por dois. Para quê isso? Porque a gente quer uma média de contas a receber. Contas a receber pode ter começado em um nível de 100 mil, e terminou em um nível de 150 mil. Como eu não sei comoele oscilou durante o ano, sazonalidades, eu vou fazer uma média. Se eu tiver informações trimestrais, eu posso fazer a média usando o saldo de cada trimestre, isso é possível fazer também. E aí eu vou dividir este contas a receber médio pela receita diária. Ou seja, eu peguei a receita anual e dividi por 360. Ou a receita trimestral, e dividi por 90. Então, essa fórmula está vendo o seguinte: quantas vezes a receita diárea cabe dentro do contas a receber? E aí a gente tem o prazo médio de recebimento. Para a gente saber quantas vezes o contas a receber gira em um ano, basta dividir por 360. Então, por exemplo, se eu tenho um contas a receber com prazo de recebimento de 30 dias. 30 é igual a um mês. Prazo médio de recebimento de um mês. Se a gente tem 12 meses no ano, quer dizer que esse contas a receber vai girar 12 vezes no ano. Se você fizer essa continha, dividir 360 pelo prazo médio de 30, vai chegar nos mesmos 12 que a gente estava imaginando aqui de outra forma.

Para calcular os outros prazos médios, por exemplo, prazo médio de pagamento, e o prazo médio de estocagem, a gente vai utilizar o mesmo raciocínio que a gente teve ao calcular o prazo médio de recebimento. A gente pode imaginar que para o prazo médio de pagamento, o saldo de fornecedores, ele é a caixa d'água, e o que enche a caixa d'água "fornecedores" é o compras. Então, a gente tem que calcular, descobrir qual o valor das compras diárias para saber quantas vezes as compras diárias cabem dentro do saldo médio de fornecedores. Aqui tem um detalhe, porque as compras, a gente não encontra esse valor no balanço, na DRE, no fluxo de caixa. A gente precisa fazer uma continha para descobrir o valor das compras diárias. A gente vai fazer aqui para as Lojas Renner. Então, para as Lojas Renner, se a gente for fazer o cálculo do prazo médio de recebimento, a gente está égando o contas a receber médio, dividindo pela receita diária, receita anual, dividido por 360, acredito que vai dar 121 dias, aproximadamente. O prazo médio de estocagem. A gente pegou a média do valor de estoque, então é o saldo médio de estoque. Estamos dividindo pelo custo manual, dividido por 360, pelo custo diário, e a gente vai chegar em um médio de estocagem aproximado de 100 dias.

Para calcular o prazo médio de pagamento, a gente precisa do valor de compras. Então, a expressão para a gente chegar nisso é: estoque final. Ele começa de um estoque inicial. O estoque cresce com as compras, então a gente está fazendo estoque inicial, mais compras. E o estoque diminui quando a gente tem vendas. Isso é refletido no custo do produto vendido. Então a gente montou essa expressão, depois a gente inverte, isola a variável compras, e calcula compras de que forma? Pela variação de estoque final, menos estoque inicial, custo do produto vendido. Então a gente calculou o valor das compras anuais. Vamos fazer o mesmo processo, pegar o saldo médio de fornecedores, vamos dividir pelo valor de compras diárias. Eu acredito que vai chegar em um valor próximo de 100 dias. A gente não está com o cálculo aberto aqui para esses casos de prazos médios, mas é simplesmente um exemplo. Você vai pegar Lojas Renner, ou as demonstrações contábeis de outras empresas para chegar nesses prazos médios para você entender o ciclo financeiro de uma de alguma empresa. Isso é legal, essas informações de prazos médios também quando a gente faz projeções. Por exemplo, se eu vou montar um negócio novo.

Eu sei que o negócio que eu estou montando, eu sei, por exemplo, projetar receitas. Esse caso. Eu estou projetando receitas de R$ 180 mil. Eu sei que, nesse negócio, eu consigo trabalhar com prazo médio de recebimento de 27 dias, que eu preciso ter estoque para 25 dias, o prazo médio de estocagem é de 25, e eu posso pagar em até 35 dias. Em até 35, não. É melhor falar "em média, em 35 dias". E tem uma margem bruta de 40%. Lembrando que margem bruta é lucro bruto dividido pela receita. Normalmente pela receita líquida. Aqui, nesse caso, a gente não está falando de impostos, então vamos direto pela receita total, pela receita bruta. Quais seriam os saldos médios de contas a receber, de estoque e de fornecedores, e a necessidade de capital de giro, considerando que a variação do estoque nesse período seja nula? Estou considerando que a variação do estoque seja nula, por quê? Porque eu estou fazendo uma projeção a partir de nada, de nenhum estoque, de nenhum contas a receber, estou fazendo uma projeção para o primeiro ano.

Então, a gente ignora essas variações. Projeção de resultado. Como a margem bruta é de 40%, o lucro bruto é R$ 72 mil, consequentemente, a gente tem um custo da mercadoria vendida de R$ 108 mil. O contas a receber, ele parte da receita. Se eu tenho uma receita anual de R$ 180 mil, eu tenho que dividir ela por 360 para encontrar a receita diária. E eu multiplico por 27, porque o meu contas a receber armazena 27 dias de vendas, 20 dias de receitas diárias. Assim como o meu estoque armazena 25 dias de vendas. Ou seja, 25 dias de CMV diário. Por isso eu estou multiplicando o CMV diário por 25 para encontrar o estoque. Se a variação no estoque, a gente está considerando que ela é zero, aquela expressão para cálculo de compras, a gente usa estoque final, menos estoque inicial. Se a variação dele é zero, então compras é igual a CMV. Então, para a gente calcular o saldo médio de fornecedores, a gente vai pegar lá compras diárias, que é igual CPV diário, e vamos multiplicar pelo prazo médio de pagamento. Chegamos no saldo de fornecedores de R$ 10.500,00.

A necessidade de capital de giro, normalmente ela envolve outros passivos circulantes operacionais, outros ativos circulantes operacionais, mas que costumam ser menos relevantes do que esses que a gente está aqui projetando. Então, vamos considerar que a necessidade de capital de giro desta empresa seja R$ 13.500,00, mais R$ 7.500,00. Ou seja, R$ 21 mil, menos R$ 10.500,00. Então, somamos o contas a receber com o estoque, e chegamos em R$ 21 mil. Subtraímos fornecedores, que é R$ 10.500,00. Então temos uma necessidade de capital de giro também de R$ 10.500,00. Essa conta serve mais para projeções do que para análise de demonstrações contábeis. Mas é bastante legal. Quando a gente vai montar um negócio novo, quando a gente vai fazer uma projeção para fins de avaliação, a gente precisa projetar também os investimentos na necessidade de capital de giro. Então ele é útil nesse sentido.