Pontos CRC, cursos, conteúdo, normas e compliance com o M2M PRIME Assine o M2M PRIME
Nenhum resultado encontrado.

Contabilidade para Investidores - Introdução - Parecer do auditor

Publicação
30/09/2020
Conteúdo restrito para assinantes PRIME.
Todo o conteúdo do site em uma assinatura única.
Transcrição

Muitos investidores que começam a trabalhar com análise fundamentalista, seja para fins de crédito ou para fins de investimento mesmo, em se tornar sócio de uma empresa ou manter seus investimentos ou vender suas posições, eles perguntam: como começar ou por onde começar uma análise fundamentalista?

Eu, mesmo tendo formação contábil na graduação, mestrado, doutorado, sou professor de contabilidade também... Mesmo assim, eu gosto de começar as minhas análises fundamentalistas pelos cenários econômicos. Por quê? Muitas vezes essas análises, por mais simples que sejam, podem tirar a gente de algum caminho, podem economizar o nosso tempo.

Antes de sair analisando balanço, calculando indicadores, um montão de coisas, se a gente olhar para o setor de atuação de uma empresa, a gente economiza um montão de tempo. Então, por exemplo, se você está analisando várias empresas. Eu não sei em qual empresa eu invisto. Tem algumas opções aqui no meu cardápio.

Você pode começar olhando para o mercado dessa empresa, em que setor ela atua, para saber se esse setor é um setor que está em expansão. Por exemplo, se você está analisando empresas como fintechs, empresas que estão entrando no mercado de pagamento, no mercado de crédito. São mercados que estão em expansão, porém tem que tomar cuidado. É um mercado que está em expansão, mas tem muitos entrantes também.

Tem que ver se essa empresa que está entrando neste mercado em expansão, qual é o diferencial dela? Ela está dentro de uma rede de varejo? Ela já tem um parceiro comercial forte? Ela tem um diferencial de tecnologia? Como ela vai ganhar mais clientes do que os outros tantos concorrentes que estão entrando nesse mercado? Então são questões que vêm antes da contabilidade, questões que vêm antes desta análise que a gente vai fazer aqui nesse curso.

Ou se eu estivesse pensando aqui, uma das empresas do meu cardápio é uma indústria do setor automotivo. O setor automotivo não é um setor em expansão. Pelo contrário, o setor automotivo vem enfrentando problemas de ordem mais macro. Eles vêm enfrentando queda nas vendas, tanto no Brasil quanto no restante do mundo. Fecho as portas para o setor automobilístico?

Não, não é essa a questão, não é esse o recado. A questão é: eu estou analisando aqui investir ou não no setor automotivo. Mas essa empresa que eu escolhi para analisar, ela é uma empresa que está se diferenciando das demais? O que ela está fazendo para se diferenciar das demais? Ela está desenvolvendo um carro mais sustentável, com um combustível mais sustentável, um veículo elétrico?

Algum modelo de negócio diferente de compartilhamento de veículos? Vamos analisar essa empresa individualmente, como negócio, como ela consegue... Que não seja uma expansão do mercado inteiro, como ela consegue ganhar espaço das demais ou ganhar espaço em outros negócios também, explorando outros modelos de negócio?

Então essa análise é uma análise setorial, é uma análise olhando tendências, olhando estratégia, olhando para a concorrência. Olhando se essa empresa atua no mercado local ou no mercado internacional, quais países ela atende e como está a economia desses mercados que são atendidos pela empresa que você está analisando.

Bom, mas esse é um curso sobre contabilidade, contabilidade para investidores. Então, como ele é um curso de contabilidade para investidores, a gente começa por onde? Vamos começar pegando as demonstrações contábeis de uma empresa. Vamos colocar aqui na tela o site de relações com investidores de uma empresa.

Está aqui o da empresa Gol, que eu escolhi justamente porque a gente está no ano de 2020. Eu vou pegar a Central de Resultados. Eu escolhi a empresa Gol justamente porque a diretora de controladoria da empresa GOL, este ano foi nomeada para trabalhar no IFRIC, no Comitê de Interpretações do IASB. Então, a Gol é uma empresa que tem uma equipe competente, assim como diversas grandes empresas aqui no Brasil.

Eu escolhi a Gol por ter esse respaldo, por ter essa equipe competente. Vamos começar aqui pegando demonstrações financeiras da Gol. Temos as demonstrações individuais e consolidadas no mesmo documento. Essas demonstrações que a gente está pegando aqui, elas são do segundo trimestre de 2020. Eu estou entrando nessas demonstrações para quê? Para mostrar por onde começar.

Por onde começar é, na minha opinião, pelo parecer do auditor independente. Muita gente nem olha para o parecer dos auditores independentes, o que é um grande erro, um grandessíssimo erro. Então, olhando para essas demonstrações aqui da Gol, vamos descer um pouquinho a página para procurar o parecer dos auditores independentes.

Temos comentários sobre o desempenho da empresa, tal... Eu quero o parecer do auditor independente. O auditor independente, no caso da Gol, para esse período, o segundo trimestre de 2020, é a Grant Thornton. Por que eu falei que é um grande erro você negligenciar o relatório do auditor, o parecer do auditor independente?

Porque algumas vezes esse parecer vai dizer que o auditor fez uma revisão nos números da empresa, nos relatórios contábeis, em todos os relatórios e todas as notas divulgadas pela empresa. E ele vai colocar ali se ele acredita que essas demonstrações foram preparadas de acordo com as normas contábeis ou se tem alguma ressalva.

Se ele tiver alguma ressalva, pode ser que eu nem queira analisar essa empresa. Eu vou economizar o meu tempo. Para que eu vou analisar uma empresa que o auditor independente, ele próprio não confia nos números da empresa ou nas informações que a empresa está divulgando? Então vamos dar uma olhadinha aqui.

O relatório da Grant Thornton começa dando uma introdução aqui falando o que ele revisou. Essa é uma revisão limitada que ele fez. Limitada porque normalmente se faz uma revisão completa nas demonstrações financeiras anuais e uma revisão limitada nessas demonstrações intermediárias, que são as trimestrais.

Então ele fez uma avaliação, uma revisão no ITR de 30 de junho de 2020. O auditor está afirmando aqui, ou reafirmando, que a administração da companhia é responsável pela elaboração das informações financeiras intermediárias, tanto as individuais quanto as consolidadas. Essa informação aqui não é tão relevante em termos de análise, mas ela é uma informação importante para auditor, para informar o público.

O auditor não é responsável pelas demonstrações financeiras de uma empresa. Essas demonstrações são de responsabilidade da própria empresa, da alta administração da empresa. O auditor fez uma revisão. Ele vai colocar aqui qual é o alcance da revisão dele no parágrafo de baixo. Então ele conduziu a revisão de acordo com a norma contábil, a NBC, Norma Brasileira de Contabilidade, TR 2410, que fala de revisão de informações intermediárias.

Então ele fez de acordo com essas normas aplicáveis ao auditor independente. Então, o alcance de uma revisão é significativamente menor de uma auditoria, de acordo com as normas de auditoria. Basicamente, ele está falando o que eu já tinha dito aqui. Quando você fecha um balanço anual, você faz um trabalho de auditoria completo. E essa revisão é um trabalho mais limitado. Tem menos tempo para fazer, tem menos testes de auditoria.

Mas ainda assim é bastante importante a gente dar atenção ao relatório do auditor. E principalmente a esse parágrafo aqui, "Conclusão sobre as informações intermediárias individuais e consolidadas". Isso é bastante importante.

Com base na nossa revisão, não temos conhecimento de nenhum fato que nos leve a acreditar que essas informações não foram elaboradas, em todos os aspectos relevantes, de acordo com as normas aplicáveis à demonstrações intermediárias, e apresentadas de forma condizente com as normas expedidas pela CVM.

Legal. Então o auditor fez uma revisão dessas demonstrações intermediárias e falou: "Olha, de tudo o que a gente viu aqui, não tem nada que nos faz acreditar que essas demonstrações não foram preparadas de acordo com a norma, beleza?" Ele não está falando aqui: "Não tem fraude, não tem erro." Ele não está falando nada disso. Ele está falando que, em todos os aspectos relevantes, essas demonstrações foram preparadas de acordo com a normatização contábil.

Isso dá um conforto para nós, investidores. Não é um conforto de 100%, eu acredito 100% que isso aqui está livre de erro, está livre de fraude ou qualquer outro desvio material. Não é isso que esse parecer quer dizer, mas ele me dá um conforto de que alguém já revisou esses relatórios, fez vários testes e isso está sim, em todos os seus aspectos relevantes, de acordo com a normatização contábil.

"Mas acho que isso não é relevante, porque toda empresa que eu olho tem sempre o mesmo parecer." Não, isso não é verdade. Algumas empresas publicam suas demonstrações contábeis e o auditor faz uma ressalva. O auditor poderia ter ressalvado o passivo, por exemplo. Ele poderia ter falado:

"A empresa demonstra suas demonstrações financeiras de acordo com a normatização contábil. Está tudo condizente com as normas expedidas pela CVM, exceto pelas provisões para perdas trabalhistas", e aí ele vai colocar alguma razão. "Recebemos algum retorno de advogados que trabalham com a empresa de que tem perdas prováveis que não estão contabilizadas, ou perdas possíveis que não estão em notas explicativas."

Então é importante a gente olhar para essa conclusão e ver se tem alguma exceção. No da Gol não tem, olha que bacana. Então a gente pode confiar nas demonstrações financeiras publicadas pela Gol. Mas esse parecer de auditoria não tem só isso de relevante.

Normalmente, a empresa de auditoria destaca alguns itens. Alguns itens que ela entende que são pontos relevantes de auditoria, ela destaca aqui no seu parecer. E a Grant Thornton colocou algo bastante relevante aqui neste parecer. Olha só: "Incerteza relevante sobre a continuidade operacional da empresa." Este parágrafo é bastante importante.

"Chamamos a atenção para a Nota Explicativa número 1." Então, se o auditor está chamando a atenção, eu acho que é importante você, como usuário dessas demonstrações, também ter atenção com essa Nota Explicativa número 1. Está falando que "menciona que as informações intermediárias individuais foram elaboradas no pressuposto de continuidade operacional."

Então, pressuposto de continuidade operacional é o seguinte. As normas contábeis são elaboradas sobre esse pressuposto. Então a normatização contábil, toda ela tem como base o pressuposto de continuidade operacional, que é mais ou menos como dizer: eu estou preparando o meu balanço, a minha demonstração de resultados, entendendo que essa empresa vai continuar operando por um período indefinido. Ou seja, ela não vai parar de operar no curto prazo, em um prazo que a gente tenha visão.

Essa é a normatização contábil. Mas o que a Grant Thornton escreveu aqui no parecer da Gol é: "Conforme descrito na referida nota explicativa, a companhia sofreu reduções recorrentes nas suas operações e possui uma deficiência de capital circulante líquido." A gente vai estudar esse conceito aqui, falar que capital circulante líquido tem a ver com a liquidez da empresa. "Juntamente com outros eventos e condições..."

Lembrando: a gente está vendo aqui as demonstrações do segundo trimestre de 2020. Estamos no meio da crise causada pela pandemia da Covid-19. Então as operações de companhias aéreas ficaram praticamente paradas nesse segundo trimestre, então isso deve ter afetado bastante o balanço da Gol.

"Indica existência de incerteza relevante que pode levantar dúvida significativa quanto à sua capacidade de continuidade operacional." Veja, palavras fortes aqui. Incerteza relevante que pode levantar dúvida significativa quanto à capacidade de continuidade operacional. Em outras palavras, o auditor está dizendo: "Olha, a empresa tem um plano de ação, ela tem um plano de negócio. Porém, esse plano de negócio está baseado em premissas."

Isso não está escrito aqui, mas as premissas que a Gol utilizou no seu plano de continuidade operacional levam em conta a retomada das atividades no segundo semestre. Chegando no final de dezembro a uma capacidade próxima de 80%. Então, em dezembro de 2020, ela estaria estimando voltar a capacidade operacional, operando 80% da sua estrutura, 80% da sua capacidade.

Bom, e se isso não acontecer? Se isso não acontecer, tem um risco grande de continuidade, da empresa não conseguir continuar operando, pagando salários, pagando fornecedores, pagando combustível. Então esse é o cenário no qual a Gol se insere aqui na leitura desse parágrafo do parecer do auditor.

Veja qual a importância do parecer do auditor independente. Então, ele está afirmando aqui categoricamente: a Gol não vai continuar suas operações, a Gol tem uma data prevista para fechamento? Não, ele não está falando nada disso, mas ele está falando sobre riscos.

Então se você é um investidor, um analista que está olhando para o longo prazo... Eu estou analisando aqui se a Gol é um bom negócio para um investimento de longo prazo. Com base nessas informações aqui, a gente tem uma dúvida de continuidade operacional da empresa. Então é algo que deve ser levado em conta em qualquer avaliação.

Se você fosse continuar essa análise a partir daqui, você vai calcular indicadores de rentabilidade. Provavelmente a gente vai ter uma rentabilidade negativa, porque é um período de prejuízo. Você vai comparar margem, giro, rentabilidade, liquidez, um monte de coisa. Sendo que o próprio parecer do auditor já está levantando essa questão do risco de continuidade.

Pode ser que essas análises, esses cálculos sejam menos importantes do que informações qualitativas. Então, informação qualitativa. A primeira que eu estou chamando atenção é a questão da continuidade. Segunda informação qualitativa, qualitativa e quantitativa também: é esperado que o governo dê algum apoio para as companhias aéreas durante o ano de 2020?

Se você tem alguma informação ou se há uma chance grande disso acontecer... Bom, a auditoria fez o certo, que é chamar a atenção para esse risco. Mas eu estou percebendo que o governo provavelmente vai aportar dinheiro na companhia, via BNDES ou qualquer outro meio institucional. E aqui eu não estou preocupado com o controlador da Gol, se o acionista majoritário vai ganhar ou vai perder dinheiro.

Eu estou preocupado com a entidade Gol. Quando eu invisto em uma empresa, eu estou preocupado com a continuidade operacional da empresa. Eu estou preocupado com o ganho da empresa como um todo, não de um acionista individual. Porque esses planos de recuperação, muitas vezes, quando um governo põe dinheiro em uma empresa, ele exige um percentual de participação.

Então, pode ser que o acionista que está lá na Gol ou todos os acionistas ou um acionista individual, o controlador, pode ser que ele tenha que abrir mão de participação para que o governo faça esse aporte. É algo que estou conjecturando aqui que pode acontecer.

Mas o recado final, em relação ao parecer de auditoria, é que o parecer do auditor independente é muito importante para a gente saber se essas demonstrações são confiáveis ou não, se foram preparadas de acordo com a normatização contábil. Demonstrações anuais, em geral, são mais confiáveis, porque elas passaram por uma revisão completa.

Aí tem essas questões, ressalvas que poderiam ter acontecido. Não teve aqui no caso da Gol. E essas ênfases que o auditor destaca, esses pontos relevantes que o auditor destaca. No da Gol ele fez um destaque bastante importante, que é o risco de continuidade operacional.

Legal? Então, não deixe de começar a sua análise pelo relatório do auditor independente. Ou se você já começou a sua análise, não deixe de olhar para o relatório do auditor independente.


Texto gerado automaticamente.