Abrir Menu

IFRS 9 - Hedge Accounting

Para as entidades que já utilizam a contabilidade de hedge da IAS 39 (CPC 38), uma boa notícia: a IFRS 9 deixa os requisitos de hedge accounting mais claros e abrangentes, mas não destrói os conceitos da norma anterior.

O hedge accounting continua sendo um critério contábil opcional, cujo objetivo é representar nas demonstrações financeiras o efeito das atividades de gestão de risco de uma entidade que utilizam instrumentos financeiros para mitigar o risco de exposições que poderiam afetar a DRE ou o PL.

No que diz respeito aos instrumentos de hedge, além dos derivativos, a IFRS 9 permite que sejam utilizados outros instrumentos financeiros (ativos ou passivos) ao valor justo por meio do resultado, além do componente de risco de moeda para cobertura de risco de moeda estrangeira.

A nova norma também detalha melhor a segregação do valor intrínseco de uma opção em relação ao seu valor no tempo. Sob a IFRS 9, o valor intrínseco da opção pode separadamente ser designado como instrumento de hedge.

Na qualificação do hedge accounting, a nova norma de instrumentos financeiros é menos rígida, e no lugar de um teste de efetividade rígido e quantitativo, há a análise prospectiva do hedge. Se uma relação de hedge deixar de atender ao requisito de efetividade, mas o objetivo de gestão de risco permanece o mesmo, uma entidade deve ajustar o índice de cobertura de forma que ele atenda aos critérios de qualificação novamente, o que é chamado de reequilíbrio.

Sob a IFRS 9, continuam existindo três tipos de relações de cobertura:

  1. Hedge de valor justo – cobertura de exposição a mudanças no valor justo de um ativo ou passivo reconhecido ou de um compromisso firme não reconhecido, ou um componente de quaisquer desses itens, que seja atribuível a um risco específico e que possa afetar o resultado.
  2. Hedge de fluxo de caixa – uma cobertura da exposição à variabilidade nos fluxos de caixa que seja atribuível a um risco específico associado à totalidade de um ativo ou passivo reconhecido, ou a um componente dele (como, por exemplo, a totalidade ou parte dos pagamentos de juros futuros sobre dívida de taxa variável) ou uma transação prevista altamente provável e que possa afetar a DRE.
  3. Hedge de um investimento líquido em uma operação no exterior.
Mensuração inicial e mensuração subsequente Classificação e mensuração de ativos financeiros Classificação e mensuração de passivos financeiros Reclassificação de ativos e passivos financeiros
Baixa de ativos financeiros Perda do valor recuperável de ativos financeiros Hedge accounting Resumo IFRS 9

Cursos Relacionados