Blog M2M

Placar apertado reforça decisão de não provisionar

Placar apertado reforça decisão de não provisionar

Por Ca­mi­la Maia e Mar­cel­le Gu­ti­er­rez

O pla­car aper­ta­do da de­ci­são do Tri­bu­nal Su­pe­ri­or do Tra­ba­lho (TST) no pro­ces­so da Pe­tro­bras re­for­ça a de­ci­são da com­pa­nhia de não pro­vi­si­o­nar os R$ 17 bi­lhões pre­vis­tos no ca­so de uma der­ro­ta de­fi­ni­ti­va, de acor­do com es­pe­ci­a­lis­tas ou­vi­dos pe­lo Va­lor.

A es­ta­tal foi der­ro­ta­da na quin­tafei­ra, por 13 vo­tos con­tra 12, em uma ação tra­ba­lhis­ta mo­vi­da com o ob­je­ti­vo de re­ver o cri­té­rio de cál­cu­lo do Com­ple­men­to da Re­mu­ne­ra­ção Mí­ni­ma por Ní­vel e Re­gi­me (RMNR). Na ver­são mais re­cen­te do for­mu­lá­rio de re­fe­rên­cia da com­pa­nhia, de 8 de ju­nho, a com­pa­nhia ci­ta­va que ha­via R$ 16,979 bi­lhões en­vol­vi­dos no pro­ces­so.

A es­ta­tal, po­rém, dis­se que não vai mu­dar sua ava­li­a­ção so­bre a pro­ba­bi­li­da­de de per­da no pro­ces­so, pois vai en­trar com re­cur­so no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF). No ba­lan­ço do pri­mei­ro tri­mes­tre, a com­pa­nhia con­ta­bi­li­zou R$ 15,26 bi­lhões re­fe­ren­tes ao pro­ces­so co­mo per­da “pos­sí­vel”, o que não a obri­ga a fa­zer um pro­vi­si­o­na­men­to.

“Eu con­cor­do com o po­si­ci­o­na­men­to da Pe­tro­bras por­que a nor­ma con­tá­bil diz que é ne­ces­sá­rio pro­vi­si­o­nar quan­do a em­pre­sa jul­ga que é uma per­da pro­vá­vel”, dis­se Eric Bar­re­to, pro­fes­sor do Ins­per, de São Pau­lo.

Pa­ra o pro­fes­sor do Ins­per, is­so é pos­sí­vel den­tro da nor­ma con­tá­bil vi­gen­te. “Por ain­da ca­ber re­cur­so e ter si­do uma de­ci­são aper­ta­da, por um vo­to de di­fe­ren­ça, a em­pre­sa ain­da po­de acre­di­tar nu­ma vi­ra­da do pla­car”, dis­se Bar­re­to.

“Pe­la re­gra con­tá­bil, ha­ven­do a pos­si­bi­li­da­de de re­cur­so e a em­pre­sa acre­di­tan­do que po­de re­ver­ter a de­ci­são, não pre­ci­sa es­tar no ba­lan­ço”, dis­se um ad­vo­ga­do da área con­tá­bil, que pe­diu pa­ra não ser iden­ti­fi­ca­do.

A di­fe­ren­ça pe­que­na no pla­car do TST re­for­ça a te­se de pos­sí­vel re­ver­são. “Se a Pe­tro­bras per­des­se por uma gran­de di­fe­ren­ça, po­de­ria re­co­nhe­cer que se­ria di­fí­cil de ga­nhar, mas não foi o que acon­te­ceu”, apon­tou o ad­vo­ga­do.

O pro­nun­ci­a­men­to 25 do Co­mi­tê de Pro­nun­ci­a­men­tos Con­tá­beis diz que pa­ra que uma pro­vi­são se­ja re­co­nhe­ci­da é ne­ces­sá­rio que a en­ti­da­de não te­nha al­ter­na­ti­va re­a­lis­ta a não ser li­qui­dar a obri­ga­ção pre­sen­te cri­a­da por um even­to pas­sa­do.

“Não há na­da no CPC que di­ga que uma com­pa­nhia pre­ci­sa re­co­nhe­cer uma pro­vi­são em de­ter­mi­na­da si­tu­a­ção, co­mo após uma de­ci­são ju­di­ci­al de pri­mei­ra ou se­gun­da ins­tân­cia”, ex­pli­cou o pro­fes­sor César Ca­se­la­ni, da Es­co­la de Ad­mi­nis­tra­ção de Em­pre­sas de São Pau­lo (FGV EAESP).

O es­pe­ci­a­lis­ta tam­bém des­car­ta a pos­si­bi­li­da­de de que a Pe­tro­bras es­te­ja “en­ga­nan­do” o mer­ca­do ao não fa­zer o pro­vi­si­o­na­men­to, uma vez que há uma con­ta­bi­li­za­ção da po­ten­ci­al per­da nas no­tas ex­pli­ca­ti­vas do seu ba­lan­ço, as­sim co­mo no for­mu­lá­rio de re­fe­rên­cia. “Não pos­so di­zer que não exis­te trans­pa­rên­cia ou que o in­ves­ti­dor es­tá sen­do en­ga­na­do. Ca­be ao in­ves­ti­dor ler as no­tas ex­pli­ca­ti­vas”, dis­se Ca­se­la­ni.